A moça do escritório

Imagem de girl

Queria entender porque as pessoas são sempre tão mesquinhas. Porque se preocupam com as coisas menos importantes. Porque esqueciam que ela estava ali sozinha, e de todas as outras pessoas que estavam nos seus respectivos cantos, sozinhas. Em seus cantos nem sempre tão aconchegantes.

Escrevia na esperança de jogar fora aquela sujeira e escrevia na esperança de que alguém lesse – e de que isso talvez pudesse mudar o mundo. E as frases corriam e escorriam em sua mente, escapuliam por entre os dedos nervosos que batiam com pressa nas teclas e faziam um barulho enorme ao imprimirem as letras da máquina de escrever. Não havia back space naquele dia. E o que ela escrevia, as teclas que pressionava, estariam gravadas para sempre.

Daqui um ano, talvez, tudo fosse diferente. Alguém leria aquelas bobagens escritas erradas por causa da pressa e da quantidade de nível alcoólico no sangue e se perguntaria “Ora, quem escreveu isso? Em que mundo essa pessoa vivia?”. E todos ao redor ririam satisfeitos segurando seus copos de Whisky e fumando seus charutos, contentes com a nova piada da vez. A moça abaixaria a cabeça e omitiria o fato de ser o motivo daquela piada. Porque nada havia mudado e aqueles tolos sequer percebiam. Não percebiam que viviam todos exatamente como há cinquenta anos, porém com trajes diferentes. A moda muda, as pessoas continuam podres por dentro. É como um livro com várias edições, com a exceção de que a a gente sempre aprende mais com os livros.

Pegou seu copo de Whisky e tomou um gole caprichado. Sentiu um arrepio e se perguntou porque tomava aquilo. Mais uma moda? O gosto era horrível e a bebida deixava seu corpo mole, incapaz de raciocinar – ou teclar – com clareza. Queria que inventassem uma caneta conectada ao pensamento, cadê a praticidade toda da coisa? Seria fácil vender, basta dizer que não precisariam fazer nenhum esforço. Ninguém quer fazer esforço. Nem por si mesmo.

E quis dormir. Bebeu mais um gole generoso, digitou sua última frase – já que o álcool deixara seus dedos fracos também -, se debruçou ali mesmo, sobre a mesa do seu “escritório improvisado” e dormiu. Porque atualmente era o que lhe deixava feliz, estar dentro de si e dos seus pesadelos era menos aterrorizante do que viver no mundo real.

Anúncios

2 comentários sobre “A moça do escritório

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s